sábado, 8 de março de 2014

A fuga (repostado do MIM)

Ele correu, quase tão rápido quanto os ponteiros do relógio, suas mãos tremiam, seus pés estavam esfolados, estava tão nervoso que seu coração poderia sair pela boca. Ele já tinha perdido a esperança de fugir e então apenas parou... seu corpo caiu, quase não teve forças para se arrastar ao meio fio,  suas calças estavam rasgadas o suficiente para que vissem seus arranhões, ocasionados pela queda anterior em um cruzamento no qual quase foi atropelado, ( ninguém parou, continuavam suas vidas como quem segue um relógio, a ele restou apenas ser subjugado por olhares tão estranhos quanto os seus a eles).

Voltou-se para o relógio e confirmou, estava perdido, não tinha mais como fugir, olhou para seus sapatos já gastos pela adrenalina que se sucedera, retirou-os dos pés e os jogou longe quase acertando os pombos na praça, seu desespero explodiu por seu corpo, e ele resolveu levantar, resolveu continuar, mas não tinha forças, caiu junto com suas lágrimas, ele riu de desespero, algumas imagens vieram a sua cabeça, seu mundo girou talvez pelo fato de sua febre ficar mais alta, pareciam que estavam lhe despedaçando com unhadas, seus olhos já estavam o traindo e sua mente se desvencilhando da realidade.

E é quando tudo parece tão perdido é que a noite de sonhos termina, seu algoz chegou, esmurrando suas palavras insensatas para uma pessoa inconsciente, mas tudo na vida tem dois lados, o algoz também tinha bom coração, derramou as lágrimas quando viu sua presa ao chão, tão inocente quanto uma criança, ele se ajoelhou e logo se descobriu que o algoz na verdade era o pai e também o herói, que tentou o proteger com seus braços que se assemelhavam a asas.

O algoz só se tornou algoz quando prendeu o pobre pássaro em uma gaiola, tentando dar-lhe proteção, alimentando assim com conta gotas a vontade desse de voar, descobrir o mundo, bastou, meia brecha para que suas asas pudessem se libertar, ele se apaixonou pela vida. Só que ele vou tão alto que esqueceu que suas asas estavam fracas, seu corpo não podia receber muitas emoções, e seu coração bateu tão rápido que de repente ele parou, para o pobre pássaro se libertar.
*não consegui captar minha própria emoção #frustrei
Texto escrito e publicado por mim no meu outro Blog (http://jujumeumundo.blogspot.com.br/2013/10/a-fuga.html)

Nenhum comentário:

Postar um comentário